sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Perguntas...

Como é que se pode permanecer sentado à espera de uma tempestade que sabemos que pode arrasar tudo em nosso redor?

11 comentários:

PAULO LONTRO disse...

Se se tem consciência do risco, pode acontecer que não haja motivação para fazer algo diferente.

Aralis disse...

Às vezes só o que se pode fazer é esperar e rezar pelo melhor... Somos humanos e nem sempre conseguimos mudar o curso das coisas...

joka

M. disse...

Ou a vida deixou de ter um sentido e o derrostismo assola-nos a Alma, ou o sentido da vida está nessa tempestade.

M.

TM disse...

Paulo - Em alguns momentos da nossa vida damos por nós presos à falta de opções, e nesses momentos apenas nos resta enfrentar as tempestades...

TM disse...

Aralis - Mas já há muito tempo que deixei de acreditar nisso que é rezar...

TM disse...

M. - Nem a vida deixou de fazer sentido, nem a tempestade faz sentido.... mas quantas vezes na vida não conseguimos encontrar um sentido para as tempestades que nos atormentam... e ainda assim temos que permitir que elas nos fustiguem a alma...

M. disse...

As vezes à tempestades que não conseguimos evitar. Temos então que lutar contra elas até encontrar o nosso abrigo, se calhar é esse o sentido que a tempestade nos traz.

TM disse...

M. - Mas o que mais dói é não conseguir encontrar uma justificação para todo o sofrimento que a tempestade traz consigo... e ainda assim ter que lutar contra ele...

M. disse...

Talvez existam dois caminhos a justificação e a compreensação. O caminho em direção à justificação é sinuoso, confuso e mantêm-nos perdidos pelo meio da tempestade. O caminho em direção à compreensão leva-nos a encontrar o nosso abrigo.

M.

TM disse...

M. - Mea culpa, por tanto procurar as respostas que me permitem compreender este mundo em que vivo...

M. disse...

Há perguntas que não têm respostas e respostas que não têm que ter uma pergunta associada... Este mundo em que vivemos é um produto de tudo aquilo que nós somos e fazemos, para o começar a compreender temos que partir de uma ponta da raiz e essa ponta somos nós. Olhar para dentro auto conhecermo-nos, auto explorarmo-nos e auto descobrirmo-nos. Isso poderá ser um começo para compreender o todo que é o mundo em que vivemos, o mundo de cada um. Acho eu...

M.