quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Transparente...

Por estes dias dou por mim a transparecer o que me vai na alma, sem sequer me preocupar que os outros estão a ver o mais intímo de mim, sei que estou transparente, mas será que o sou?
O que afinal isso de ser-se transparente?
Em que momento é que algo adquire essa capacidade de se deixar atravessar pelo olhar de alguém? E será que depois de o ser poderá, quando desejar, deixar de o ser?
Sei que aquilo que os outros vêem é apenas uma parte de mim, e por isso questiono-me até que ponto seremos efectivamente transparentes, se num determinado momento da nossa vida deixamos que os outros vejam uma parte de nós....
Na verdade sei que apenas permito que algumas pessoas me conheçam verdadeiramente, mas no entanto sinto-me estranhamente confortável.... Não que em algum momento tivesse sentido a necessidade de esconder dos outros aquilo que sou, mas não encontrando uma justificação plausível para publicitar quem sou, não o fiz...
E então questiono-me ser essa transparência tem algum prazo de validade.... se hoje sou transparente sê-lo-ei amanhã?

6 comentários:

sol* disse...

Creio que, como muita coisa na vida, a transparência é, também, um estado, não um traço imutável... Hoje é mais amanhã pode ser menos ou ainda mais...
Depende dos contextos, de nós, do que a vida nos vai proporcionando e do que vamos proporcionando à vida...
E por vezes, não é a necessidade de nos escondermos que nos impede de nos darmos a conhecer aos outros, mas a necessidade de nos (res)guardarmos e de guardarmos alguma coisa só para nós ou para os "nossos"...

Ianita disse...

Se fosses transparente ninguém te via... será q te sentes mesmo assim? Invisível?

kiss

PAULO LONTRO disse...

Tantas perguntas.....
Sabes que quando abres um pouco a “cortina”, há pessoas mais atentas e outras menos atentas, umas mais perspicazes e outras menos o que quer dizer que de qualquer maneira há sempre quem veja mais e quem veja menos.
A liberdade que tens para a abrir é a mesma que tens para a fechar...
Tudo é uma questão de personalidade, de estilo e o mais importante é esse sentimento de conforto, se existir óptimo senão, mudas.

TM disse...

Sol* - Sim, provavelmente será um estado... mas então surge-me mais uma pergunta... por quanto tempo poderemos ser transparentes...

TM disse...

Ianita - Mas será que ser-se transparente é o mesmo que ser-se invisível? Porque eu sinto que conseguem ver através de mim, mas não que não me vêem...

TM disse...

Paulo - Gostei dessa analogia, porque quando abrimos a cortina estamos a permitir que os outros vejam alguns dos actos, que compõem a trama da nosa vida...