segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Eu nos outros...



Hoje, ou melhor agora, estava a vaguear nos vestígios de mim que vou deixando neste infinito mundo virtual e de repente deixei de conseguir perceber quem sou....
Na verdade esta pequena grande dúvida nasceu da dificuldade em escolher uma foto para colocar no meu perfil (no hi5 entenda-se), vi e revi as fotos que por lá fui colocando e não me consigo rever completamente e nenhuma delas.....
E por força desta dúvida que a mim pareceu crescer exponencialmente, dei por mim a pensar naquilo que os outros pensarão de mim....
Para além da imagem que o espelho me reflecte, quem sou eu para os outros....Claro que sei, e felizmente que assim é, que nem todas as pessoas me conhecem realmente, mas quem sou eu aos vossos olhos?
Pessoalmente, um dos elogios que mais me agradaram e me carinhosamente guardei para mim, foi o "adoro ler-te", porque nessas palavras estava algo mais do que aquilo que os outros vêem mas sim aquilo que sou e raras vezes consigo, ou quero mostrar....
Será que nas palavras que escrevo existe realmente uma parte de mim? Da minha alma acho que pouco partilho, e no fundo tudo é dito, porque escrevo numa tela que já alguém me disse que é tão transparente que pouco ou nada deixa por revelar, mas será que estou lá realmente?
"Esta T. é uma caixinha de surpresas, quem a viu e quem a vê!!!", dito por colegas de trabalho com quem partilhei dos momentos mais hilariantes profissionalmente falando é para mim uma daquelas coisas que me deixam a pensar.... Será que sou assim tão dificil de me deixar conhecer?
Tenho a perfeita noção que máscaras todos podemos usar, e que por força de erros ou tentativas menos felizes, nem sempre usamos a mais adequada para o espectador que se nos apresenta... Mas e quem é esta actriz que tantos, ou no fundo tão poucos, personagens vai representando?
Até que ponto uma única pessoa pode ser tantas pessoas para cada pessoa que a rodeia e conseguir se lembrar de quem é?
Serei realmente assim tão diferente para familia, para os amigos, para os colegas e até mesmo para aqueles com que me cruzo na rua? Onde mora a conjunção de todas essas pessoas, e quem é ela?
Porque no espelho os meus olhos me enganam, quem sou eu aos teus?


28 de Março de 2008

8 comentários:

spritof disse...

Estás tão...introspectiva!
Porque será?
Que mudanças se avizinham na tua vida?

Estou a gostar de te conhecer aqui...
...ou é este conjunto de textos uma face de ti? ou multilas faces?

Não sei...e não me importa.
Qualquer face que seja, é parte de ti.
E isso é suficiente para mim.

És o que constróis e desconstróis dia-a-dia, numa constante mutação e evolução.
És!
Só isso.

Sorriso disse...

:)

Anónimo disse...

Medo.
Medo de seres quem és.
Medo de mostrares o que és.
Medo de te dares a conhecer.
Medo da rejeição.
Daí tentares tantas vias diferentes.
Daí vários caminhos, para que não fiques sem nenhum se um deles se fechar.
Porque houve uma altura em que ficaste sem caminho e prometeste nunca mais vir a acontecer.
Estarás preparado(a) para enfrentar que alguém te ama?
E para enfrentar que alguém te conhece muito melhor do que julgas?
E que, mesmo assim, te ama?
Para escolher só 1 caminho, ainda que isso te leve a ficar sem nenhum outro?
Não é fácil?
Pois não.
Mas se não o fizeres a estrada vai-se fechar.

Quem te escreve sou eu.

spritof disse...

Não me parece ser essa a questão central...o medo leva-nos a criar máscaras, com o receio de enfrentarmos certas realidades. Muito bem.
Mas a descoberta de quem somos também nos leva a recriarmo-nos constantemente, o que se pode confundir com máscaras.
Não será isso uma descoberta? uma busca das nossas facetas?
Uma procura do que realmente somos?

spritof disse...

Há pessoas que dizem saber exactamente o que são, e para onde vão.
Algumas estarão certas, mas desconfio que muitas simplesmente escolheram um caminho por ser mais fácil do que procurar e experimentar vários, até que descubram o seu verdadeiro caminho.
Esses, vão chegar ao fim dos seus dias com um sentimento de vazio e arrependimento.
Os primeiros, assim como aqueles que experimentaram, chegam satisfeitos com as escolhas que fizeram.

TM disse...

Anónimo - E quem és tu?

Anónimo disse...

isto até podia ter alguma pida (não muita) de início.
agora...já não.
eu sou eu.
sempre a mesma pessoa.
ok?!
EU!

TM disse...

Anónimo - .......